segunda-feira, 20 de dezembro de 2010

Um final de semana que não precisava ter sido

Na sexta feira foi festa da empresa. Namorado trabalhou e eu fiquei por ali e por aqui com um amigo/irmão. Foi divertido mas esse ano acabou + cedo. Ainda bem... rs

Sábado saímos de casa pra ir ao centro encontrar alguns presentes. Ufs... achei que estaria mais cheio, mas até q dava pra andar. O ruim é ANDAR msm.
Mais tarde fomos pra casa da irmã, reunir com a família paterna. Foi divertido. Fizemos uma brincadeira de troca de presentes que foi divertida e a pequena ganhou uma Ariel Sereia (e fica grudada na boneca! Me agradeceu um tanto, dizendo que AMOU a boneca! Que bom... rs)
Ficamos até umas 22hs, acho e daí deu... fomos embora pra casa cansados e eu só pensava em chegar em casa, tomar banho, tra lá lá e dormir.

Acontece que tem coisas que não tem como explicar, não. Irmã ligou chorando mto e deu uma péssima notícia que realmente não caiu a ficha. Demorou pra associar nome à pessoa.

Acontece que, como já falei um pouco, minha família paterna é meio avacalhada. Custamos a nos encontrar. Mas pra facilitar a comunicação - ao menos - temos um grupo da família. Nos encontramos sempre no Natal e nem é todo mundo, pq mtos primos são SUCESSO e estão trabalhando fora, viajando etc. Os outros que estão por aqui são SUCESSO por aqui. Acontece que um deles não foi ao nosso encontro pra ir prum sítio com a namorada pois, SUCESSO que é, passou o ano todo estudando de segunda à segunda pra passar em colégio de oficiais. PASSOU! Ano que vem já estaria na Marinha. Aproveitou o final de semana pra ficar com ela pois, depois que fosse pra Marinha, no Rio, não ia ser fácil namorar... Foram passar seus dias juntinhos.
Só que um acidente por lá não o deixou mais voltar vivo pra gente. Um acidente com uma rede colocada numa viga mal feita...
E foi mto triste passar um domingo no velório de um menino de 17 anos com uma vida inteira pela frente... um menino bom, respeitador, exemplo, orgulho pros pais, estudioso...
Meu irmão disse o que - acredito - todos que lá estavam queriam dizer "Não ter a possibilidade da presença dele vai doer sempre (...)"

O caso é que estar em uma família em que as pessoas não se encontrem muito não significa que não amemos uns aos outros. Temos carinho. Temos amor, sim.
E o tio que perdeu esse menino é um tio muito especial. Nos fez VIVER a infância de um jeito BOM! Ele aproveitou primeiro com os sobrinhos mais velhos (eu e meus irmãos), nos ensinou a comer manga do pé, brincar com bichos diversos. Só que o tempo passou, os sobrinhos cresceram e ele teve os filhos dele (dois). E ele cuidou e criou muito bem!
O que quero dizer é que, mais uma vez concordando com o meu irmão, crescemos e nos afastamos da família. Perdemos a oportunidade de CONHECER primos incríveis, achando que teremos tempo. O que é o tempo? Não o tivemos. Foram só 17 anos vividos com carinho aos familiares e amigos, respeito, dedicação. E ver o carinho dos amigos retribuídos na forma do pedido do meu tio, de que esses amigos com quem o filho estudou levassem o seu caixão até o túmulo e depois vê-los homenageá-lo ali, durante o enterro. É a certeza de que sua vida não foi simplesmente passada... ela foi VIVIDA!

6 comentários:

Daya Narciso disse...

Ainnnn amiga,sinto muito pela sua familia.Eu jah perdi pessoas que amo muito,da minha convivencia,sei o qto dói,é realmente uma dor que vai nos acompanhar pra sempre,meu irmão falaeceu com 21 anos...é triste.
Espero que Deus conforte o coração de vcs e principalmente,pelos seus tios,pq deve ser uma dor terrivel pra uma mãe perder um filho,uma dor inimaginavel.
Qq coisa conte comigo...sempreeeeee
Beijos
amoooo vcsssss

Lola disse...

Nossa amiga...não sei nem o que te dizer! Vc sabe que eu vivo falando isso pro meu marido: Olha, vc nunca perdeu alguém importante na sua vida, então acha que terá tempo com todo mundo. Não é bem assim!
Não sei se como eu tive essa experiência horrível tão cedo na minha vida, eu sempre fico com essa história de resolver tudo agora, de fazer tudo hoje para não deixar nada para amanhã. O problema amiga, é que, quando a tragédia nos surpreende, não tem como pensar que se podería ter feito algo a mais! Mas quando tem amor, tem tudo! Mesmo que seja a distância!

Fique em paz minha flor e força para sua família superar essa perda terrível!

Bjs

Casa de Catarina - lelê disse...

Amiga,
Sinto muito pelas notícias do fim de semana... tem dores que são só nossas e que por mais que eu fale algo, vai custar a passar. VAi custar a cair a ficha... sabe?
Se cuide, deixe o tempo cicatrizar.......
Mta luz no seu caminho e no dele tb...
Beijos
lelê

Veronica Kraemer disse...

Sinto muito , muito mesmo, por sua perda...
Ontem li um pouco no tui e fiquei realmente sem palavras, imagino vocês, que são família...
Que Deus os conforte e ilumine, amiga...
Se precisar convesar, estou aqui, viu?
Beijos e luz
Vero

Fernanda Reali disse...

Que tristeza, que desperdício, que dor. Sinto demais quando morre um jovem, mesmo que eu não o conheça. Quando morre um idoso eu não sinto nada, mesmo que seja querido e próximo. Amiga, aceita meu abraço.

beijooo

Manu disse...

Nossa Dori, que maneira mais tola de morrer! Quem fez essa viga e ainda por cima prendeu uma rede! É difícil me conformar com isso! Foi no tal sítio? Que desespero! Meus sentimentos novamente. De todo meu coração! Sinto de verdade pela sua dor e de seus familiares!
Bj.